E a exoneração dos nomeados?

Percival repete sua “prática” (Imagem: Internet)

O ex-prefeito Percival Santos Muniz (PPS) deixou uma responsabilidade nas mãos do prefeito Zé Carlos do Pátio (SD), a exemplo do que fez quando deixou seu primeiro mandato (2001-2005) para seu sucessor, o hoje deputado federal Adilton Sachetti (PSB).
Característica peculiar sua, Percival deixou para ambos uma “renca” de nomeados, que inchou a folha de pagamento da administração Sachetti e agora repete a mesma coisa, com o novo prefeito de Rondonópolis.
Sachetti, quando assumiu a Prefeitura, demitiu os “apadrinhados” de Percival, o qual por não ter gostado das demissões, teria ido ao gabinete do Prefeito e criado um “sururú”, que segundo as informações do Blog Estela Boranga comenta teria acabado em agressão, com Sachetti – segundo as fontes – tendo que ser submetido a uma cirurgia bucal, em decorrência disso.
Agora com Zé Carlos, acontece o mesmo em relação aos nomeados por Percival em seu segundo mandato como Prefeito, que chegam a um número aproximado de 800, sendo em torno de 60 pessoas lotadas somente no Gabinete do Prefeito.
Os nomeados que não foram exonerados pelo Barba, receberiam salários que variam de R$ 900,00 a R$ 5 mil, o que onera a folha de pagamento e cria mais um obstáculo ao prefeito eleito, já que o “abacaxi” em relação ao concurso público, Percival também deixou para ele “descascar”.
Além de beneficiar os apadrinhados com emprego e salários, tem-se a clara impressão de que Percival fez de tudo para criar um clima hostil à nova administração, que em caso de exoneração das pessoas nomeadas, poderá ser acusada de criar um problema social. Como se Zé Carlos fosse o “bandido” e ele, Percival, o “mocinho” da estória; comportamento típico dele, que a população já conhece de cor.
Os apadrinhados, por sua vez, continuam nos respectivos cargos, tomando a frente de ações sem que Zé Carlos do Pátio perceba essa movimentação oportunista, que pode atrapalhar ainda mais o já conturbado início de sua gestão, causado pelo entra e sai de secretários municipais.
Conforme seu discurso de posse, de que tudo fará para equacionar e equilibrar as finanças públicas, Zé Carlos do Pátio deve – urgentemente – tomar providências quanto aos nomeados pela administração anterior, que eram chamados de a “turma do holerite”, pelos salários e também, em sua maioria, pelo “ dolce far niente” (doce fazer nada ou ficar coçando, na gíria popular) proporcionados durante quatro anos e bancados por nós, contribuintes rondonopolitanos.

2 comentários em “E a exoneração dos nomeados?

  • 05-01-17 a 19:29
    Permalink

    Espero que dessa vez o José Carlos do Pátio não se deixe levar pelas maracutaias do Percival, que não tem capacidade de fazer uma boa administração, e roubar tanto do contribuinte, estamos com vc Zé do Pátio mostra pra ele que vc é capaz, por isso votei em você, porque acredito dá sua Capacidade.

    Responder
  • 06-01-17 a 13:22
    Permalink

    Eu já deixei o cargo, só falta a publicação do ato

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *