As “heranças” deixadas para a atual gestão

Escrito por:
Pendências no Sanear, giram em torno de R$ 5,5 milhões

Ontem, a Prefeitura de Rondonópolis pagou as rescisões de contratos de cerca de 300 servidores comissionados e contratados pela administração de Percival Santos Muniz (PPS), totalizando um valor de R$ 1,6 milhão.
Dentre outras rescisões que já foram efetuadas, somente de um setor foram quase 20 pessoas, que se “batiam umas nas outras” tal era o excedente de cargos semelhantes e cuja maioria “via o tempo passar”, porque não havia serviço para fazer.
O salário desses “privilegiados”, participantes da famosa “turma do holerite”, ultrapassava a casa dos R$ 4 mil mensais e contribuía para onerar a folha de pagamento da Prefeitura.
Paralelamente, outras áreas como a Companhia de Desenvolvimento de Rondonópolis –Coder, e o Serviço de Saneamento Ambiental de Rondonópolis – Sanear, estão ensejando a execução urgente de uma auditoria, pelos “débitos” deixados pela administração passada.
Na Coder, a lista de “laranjas”, segundo informações repassadas por fontes ao Blog Estela Boranga comenta, é grande, principalmente em se tratando de aluguel de veículos, caminhões e equipamentos, cuja maioria pertenceria a terceiros e também a políticos conhecidos, cujos pagamentos mensais ultrapassariam a casa dos R$ 50 mil.
Já no Sanear, além dos veículos, caminhões (inclusive, prancha) e equipamentos, em nome também de “laranjas”, permitiam o “enchimento dos bolsos” de muita “gente boa” e conhecida, que se colocam –na fachada -, acima de qualquer suspeita.
Segundo levantamento que estaria sendo feito pela diretoria atual, as “contas a pagar” deixadas pelo gestor anterior da autarquia, giram torno de R$ 5,5 milhões.
As auditorias, se realmente forem feitas, deixarão de “queixo caído” – segundo as fontes do blog-, até bebê de colo.

Continue Lendo


2 comments

  1. Pior é o que está acontecendo numa cidade do “interiorzão” de um país conhecido internacionalmente por “Banania”. Na cidade em comento, um ex-presidente de autarquia estaria tentando regularizar a propriedade de 04 (quatro) apartamentos que foram adquiridos durante os últimos anos. É sabido que o “cara” percebia mais ou menos 10 “contos” brutos por mês. Daí, possivelmente, estamos diante de um caso de multiplicação de “quireras”, que não foi milagre de algum “Messias” e sim de gatunagem nos cofres públicos.

  2. É, mas se a denúncia que Juliano Almeida (representante dos aprovados no concurso público da prefeitura) apresentou ao Ministério Publico Estadual tiver fundamento, sobre supostas contratações irregulares efetuadas pelo Zé Carlos do Pátio, Rondonópolis trocou “6 por meia dúzia”.

Opine aqui

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *