Sem-Título-1-21-392x272
imagem: G1 Santos

Felipe de Jesus Soares Araujo, de 32 anos, é suspeito de espancar seu próprio filho, Rafael, de cinco anos, após o garoto se recusar a comer. O crime aconteceu na noite da última sexta-feira (15) em Peruíbe, litoral de São Paulo, e o homem fugiu após a Polícia Militar ser acionada.
O criminoso entrou em contato com a família da mãe do garoto, no fim de semana, e disse que não iria se entregar, pois está com “medo de morrer”.
Segundo familiares, Felipe afirmou várias vezes que não gostava do filho e tinha um comportamento violento, o que deixava a mãe do menino com medo para se separar dele.
Compartilhem para que o criminoso possa ser localizado e preso pela polícia.
Com informações

PF faz buscas na USP
PF faz buscas na USP

A Polícia Federal (PF) e o Ministério Público Federal (MPF) deflagram hoje (18) a Operação Dopamina, para investigar desvio de recursos públicos na compra de equipamentos médicos para pacientes que sofrem do mal de Parkinson – doença degenerativa do sistema nervoso central, crônica e progressiva .
Estão sendo cumpridos 11 mandados de busca e apreensão e quatro de condução coercitiva, nas cidades de São Paulo e Rio de Janeiro.
No esquema, pacientes atendidos pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP eram induzidos a fazer cirurgias de implantes de equipamentos para estímulos do cérebro, mesmo sem necessidade.
Esses pacientes eram levados a entrar com ações judiciais para a compra desses equipamentos, com pedido de urgência. Assim, uma única empresa fornecedora lucrava com valores superfaturados. Os equipamentos avaliados em R$ 24 mil chegavam a ser vendidos por R$ 115 mil.
Segundo a investigação, as fraudes ocorreram em 200 cirurgias no período de 2009 a 2014, gerando prejuízo aos cofres públicos da ordem de R$ 18 milhões.
O nome da operação refere-se ao neurotransmissor dopamina, cuja deficiência está relacionada à doença de Parkinson.
Os suspeitos podem ser responsabilizados pelos crimes de associação criminosa, peculato, corrupção e estelionato contra União, cujas penas podem chegar a até doze anos de prisão.
A irracionalidade e a bandidagem parecem ter tomado conta deste País.
Não bastasse o Sistema Único de Saúde (SUS) ser falho, burocrático e quase ineficaz, médicos de instituições tradicionais e de referência para a área, como a Universidade de São Paulo (USP), participam de fatos criminosos como este.
Com informações: Agência Brasil.

Imagem: Polícia Federal

Candidatos em lista de espera do Programa Universidade para Todos (ProUni) têm hoje (18) e amanhã, para comparecer às respectivas instituições de ensino para a qual se candidataram e apresentar a documentação que comprova as informações prestadas na inscrição.
O ProUni seleciona estudantes para receber bolsas de estudo em instituições particulades de ensino superior com base na nota do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). São ofertadas, neste segundo semestre, 125.442 bolsas – 57.092 integrais e 68.350 parciais, de 50% – em 22.967 cursos de 901 instituições de ensino superior.
A lista de espera do Prouni estará à disposição das instituições com a classificação dos estudantes por curso e turno, segundo as notas obtidas no Enem de 2015. A lista será usada na convocação de candidatos para preenchimento de bolsas eventualmente não ocupadas nas duas chamadas regulares.
Para integrar a lista de espera, os candidatos tiveram que confirmar a inscrição até o último dia 11. A relação dos candidatos participantes da lista foi divulgada no dia 14. Agora, independente de terem sido chamados, todos os candidatos em espera deverão comparecer às instituições. A documentação necessária está disponível no site do ProUni.
Com informações: Agência Brasil

Pça dos Carreiros
Maquete da praça “revitalizada
Anunciadas ainda em fevereiro do ano passado, com “banda, pompa e circunstância” pelo prefeito Percival Santos Muniz (PPS), como lhe é característico, as obras para revitalização da Praça dos Carreiros – marco histórico da cidade – teve a primeira etapa dos serviços, licitada somente em junho de 2015.

Essa primeira etapa, previa a construção de plataforma, carro de bois – monumento em concreto -, passando depois a mais três etapas, que envolveriam a construção de um chafariz luminoso e de um grande palco para eventos artísticos, a construção de um mini-terminal de transporte urbano, de lojas, e de banheiros públicos com os critérios de acessibilidade para portadores de necessidades especiais.

Por fim, estaria prevista a urbanização, com a reforma de canteiros, paisagismo, troca da pavimentação da praça, iluminação de led e construção de um parque infantil.
Mas, pelo que mostram as imagens captadas pelo blog na manhã de ontem, o “assanhamento” parou por aí.
O projeto de revitalização, a exemplo de tantas outras obras anunciadas com “foguetório” pela “turma do lado de lá”, está à deriva, apesar do anúncio  – sempre precipitado – de que a inauguração se daria no dia 10 de dezembro passado, data do aniversário da cidade.
O coreto, serve de abrigo para andarilhos.
Enquanto obras de suma importância estão paralisadas e a cidade sofre novamente com buracos por tudo que é lado, as obras da ponte – no prolongamento da avenida Lions Internacional -, vão muito bem, obrigado!
Vejam, como está  a “revitalização”:

funcionário-fantasmaSegundo notícia veiculada na mídia cuiabana no final de semana, a esposa de um suplente de vereador pelo PT do B em Cuiabá, seria “servidora fantasma” da Assembleia Legislativa de Mato Grosso, com lotação no gabinete da presidência da Casa.
A “servidora fantasma” estaria morando em Araguaçú, no Estado de Tocantins, mas recebendo um salário de R$ 7.140,00 dos cofres mato-grossenses.
É mole?
Imagem: Internet

Sem-Título-1-3-392x272Na delação premiada firmada com o MPF (Ministério Público Federal), o ex-diretor da Área Internacional da Petrobrás, Nestor Cerveró, revelou que o ex-presidente da República e atual senador por Alagoas, Fernando Collor de Mello (PTB), detinha controle político sobre a base de distribuição da BR Distribuidora, em Rondonópolis.
Segundo o delator, a decisão de entregar unidades da BR Distribuidora, subsidiária da Petrobras à influência de Collor, atendeu ao projeto político do PT e da presidente Dilma Rousseff, para obter a maioria no Congresso Nacional e assim obter governabilidade.
Inicialmente, Nestor Cerveró disse que, a partir daí, entendeu a força de Collor na BR Distribuidora. “Nessa ocasião, o declarante percebeu que Fernando Collor de Mello realmente tinha o controle de toda a BR Distribuidora”, afirmou.
A íntegra do conteúdo da delação premiada foi divulgada pelo jornalista Fausto Macedo em seu blog abrigado no site do jornal Estado. Cerveró ainda revelou que houve um compromisso político de mantê-lo à frente de uma das diretorias da Petrobrás, o que envolvia Collor e seu ex-ministro de Estado, Paulo Leoni Ramos.
“Fernando Collor de Mello e Pedro Paulo Leoni Ramos mantiveram o declarante no cargo para que não atrapalhasse os negócios conduzidos por ambos na BR Distribuidora; que esses negócios eram principalmente a base de combustíveis de Rondonópolis/MT e o armazém de produtos químicos de Macaé/RJ”, diz um dos trechos da delação premiada.
O ex-diretor da Petrobras citou três ex-presidentes da República em sua delação premiada: Fernando Collor, Fernando Henrique Cardoso e Lula. No depoimento, Cerveró fala como funcionava o acerto de propina e relata a troca de favores para se manter no cargo.
Ele ainda detalhou reuniões que definiam o destino da propina arrecadada na BR Distribuidora, uma subsidiária da Petrobras. Cerveró foi para a BR Distribuidora depois de deixar a diretoria internacional da Petrobras, em 2008.
Cerveró disse ainda que o cargo na BR Distribuidora foi uma recompensa do ex-presidente Lula por uma ajuda na contratação da empresa Schahin para operar um navio-sonda. A contratação da Schahin tinha como objetivo, segundo Cerveró: a quitação de um empréstimo do PT com o banco do mesmo grupo.
Esta cidade, vira e mexe, fica mais conhecida a nível de Brasil.
Infelizmente, por fatos como este.
Com informações/imagem Folhamax

Olho VivoEsta famosa frase da peça Hamlet, de William Shakespeare – que significa haver algo errado no ar – parece se encaixar nas informações repassadas ao blog Estela Boranga Comenta, pelo passarinho bem informado.

Segundo a avezinha, apesar das necessidades prementes, os recursos alocados no ano passado pelos senadores Blairo Maggi (PMDB) da ordem de R$ 1, 8 milhão, e José Antonio Medeiros (PPS) de R$ 2, 4 milhões, para investimentos na área da saúde de Rondonópolis – principalmente para reforma do Pronto Atendimento (PA) e em infraestrutura -, teriam retornado aos cofres do Ministério da Saúde e do Ministério das Cidades , pela não apresentação de projetos em tempo hábil e também, por não estar regularizada a situação do município, no tocante a certidões do INSS.

Me disse ainda o bípede emplumado, que também teriam sido devolvidos recursos alocados junto ao Ministério das Cidades, pelo deputado federal Adilton Sachetti (PSB) no valor de R$ 800 mil, para aplicação em obras de pavimentação asfáltica e drenagem de águas pluviais, sobretudo na região do Residencial Terra Nova.

Ou das duas uma: está sobrando recursos nos cofres municipais ou está mesmo faltando competência para gerir a Coisa Pública.

2016A insatisfação com os representantes políticos já se manifesta nas pesquisas de intenção de voto para as eleições municipais. De acordo com levantamento do Ibope, mais da metade dos eleitores brasileiros declararam que pretendem votar em candidatos de oposição (40%) ou que não votarão em ninguém (16%).
Os atuais prefeitos são os candidatos preferidos de apenas 22% dos entrevistados. Outros 8% disseram que planejam votar no candidato indicado pelo chefe do Executivo municipal. O restante não sabe ou não respondeu. A pesquisa foi encomendada pela coluna do jornalista José Roberto de Toledo, do jornal O Estado de S. Paulo.
Os indecisos ou insatisfeitos com todos os partidos representam um terço dos entrevistados. O grupo se apresenta como uma saída para os candidatos governistas. O levantamento também mostra que a tendência oposicionista varia de acordo com a região do país: o posicionamento é mais acentuado no Norte e no Centro-Oeste (46%, contra 23% dos governistas) e no Sudeste (42% a 24%), do que no Sul (27% a 33%) e no Nordeste (39% a 41%).
O partido dos candidatos também influencia na sua maior rejeição ou aceitação, como indica a pesquisa. Prefeitos petistas (17%) e seus candidatos (5%) têm, em média, 22% das intenções de voto, contra 33% para oposicionistas. As cidades administradas pelo PT concentram a maior taxa de indecisos: 29% declararam que não votarão em ninguém e 16% não souberam responder.
Rondonópolis
Em Rondonópolis, a situação é idêntica ao que se passa no restante do país.
O atual prefeito Percival Santos Muniz (PPS), além de sofrer grande rejeição popular pela péssima gestão que tem realizado , ainda poderá ser vítima da “maldição da ponte”.
Igualmente, deverá acontecer uma grande renovação na Câmara Municipal, justamente pela inércia e incapacidade de alguns vereadores, que tem ocupado o cargo muito mais em benefício próprio, do que para a sociedade como um todo.
Os tempos mudaram, os eleitores “abriram os olhos” e quem não se “ligou”, vai “dançar” a música do Raul Gil “Pegue seu banquinho e saia de mansinho”.
Já vão tarde!
Com informações: Congresso em Foco

circobrasilSe contra-pondo ao que setores da elite brasileira consideram o Bolsa Família, o Bolsa Empresário “forrou os bolsos” de quem já tem muito.
Segundo o jornal Folha de São Paulo, o empresário e produtor mato-grossense, Eraí Maggi, conhecido como o “rei da soja”, foi um dos que se beneficiaram com o “Bolsa Empresário”; programa de incentivos, extinto há pouco, pelo governo federal.
Segundo a Folha, Eraí Maggi abocanhou R$ 297,6 milhões em empréstimos subsidiados no BNDES, para a compra de máquinas e equipamentos.
Até 2014, o governo despejou R$ 362 bilhões no programa, oficialmente chamado de PSI (Programa de Sustentação de Investimentos). Para variar, a conta não fechou e a sociedade brasileira terá que bancar um débito de R$ 214 bilhões.
A campeã individual de crédito foi a Petrobras, maior empresa do país, que pegou quase R$ 4 bilhões.
Imagem: Internet

Professora Vilma Moreira
Professora Vilma Moreira

Muitos nomes estão sendo cogitados a lançar uma pré-candidatura à vereança, em Rondonópolis.
A maioria, marinheiros de primeira viagem, mas com grande visão política, como o advogado Carlos Naves de Rezende (PSD); Magno Pereira (sem partido); e a comunitária e presidente da URAMB, Nilza Sirqueira (PMDB), dentre outros.
Outros, já passaram pelo Legislativo, como é o caso da professora Vilma Moreira (PSB), Juary Miranda (PMDB) e Ananias Martins Filho (PR).
Aliás, Vilma Moreira conta com a simpatia de muitos eleitores, pelo seu trabalho como ativista e defensora do Movimento Negro local, como ex-vereadora e nos dois mandatos como deputada estadual (em 2007 e 2008), quando assumiu vaga na Assembleia Legislativa, substituindo os titulares, já que era 1º suplente.
Vilma, apesar de ter se afastado da política por problemas de saúde, segundo amigos, estaria propensa a tentar mais uma vez, uma cadeira na Câmara de Rondonópolis.