É grave o estado de saúde do manifestante
(Reprodução/O Globo/ TV)

O mineiro Carlos Giovani Sirilo (61), que foi baleado durante o protesto contra o governo de Michel Temer (PMDB), na quarta-feira (24), continua internado em estado grave na UTI do Hospital de Base, em Brasília. Ele está sedado e respira com a ajuda de aparelhos.
Sirilo foi atingido por um tiro de arma de fogo no maxilar, que partiu não se sabe de onde. Entretanto, policiais militares foram filmados atirando na direção da multidão, durante confronto na Esplanada dos Ministérios.
Saldo negativo
O protesto terminou com 49 manifestantes feridos, oito detidos e sete ministérios depredados.
O confronto entre policiais e manifestantes durou mais de quatro horas, em que voaram pela Esplanada bombas de gás lacrimogêneo e efeito moral, pedras, garrafas e até barras de metal arrancadas das grades de proteção.

PM usou armas de fogo contra os manifestantes
(Folha/UOL)

Os policiais também usaram spray de pimenta, cassetetes e, em alguns casos, que segundo a Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal será investigado o uso de armas de fogo.
Com informações O Globo/Folha de SP

(Fotos: Brasil 247)

Grandes manifestações contra o governo de Michel Temer, tendo como pontos de destaque a reforma da Previdência e o projeto de Terceirização – aprovado pelos deputados na semana passada e que deve ser sancionado por ele -, foram realizadas hoje em capitais de mais de 20 estados da federação, como São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Salvador, Recife, Vitória, Maceió, Aracaju e Fortaleza, dentre outras, além de cidades do interior, convocadas por centrais sindicais e movimentos sociais.
Greve geral
Os protestos de hoje, servem de parâmetro incentivador para a greve geral anunciada para o dia 28 de abril, fundamentada contra a retirada de direitos trabalhistas. Houve e ainda há manifestações em cidades do interior e nas capitais de mais de 20 Estados, como São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Salvador, Recife, Vitória, Maceió, Fortaleza, Aracaju, entre outras.
“Pede prá sair”
“O jogo no Brasil começou a virar. A ficha do povo está caindo”, discursou Guilherme Boulos, líder do MTST e da Frente Povo Sem Medo, na Avenida Paulista em São Paulo, lotada com milhares de manifestantes. “Se tivesse um pingo de vergonha na cara, Temer pedia para sair. Vai embora, Temer. Pede prá sair”, clamou Boulos.
Com informações Brasil 247

Manifestantes percorreram as ruas do Centro
(Foto: Maria Elsa Markus)

A exemplo de outras cidades e grandes centros do Brasil, também em Rondonópolis houve manifestação contra as medidas vergonhosas do governo de Michel Temer, que querem tirar os direitos dos trabalhadores, tendo à frente a afrontosa Reforma da Previdência (PEC 287).
Ao ato, concentrado na Praça Brasil,  marcaram presença diversas entidades sindicais e grupos de diversas categorias de cidadãos, que foram às ruas protestar contra o governo golpista de Temer.
Os organizadores estimaram um público de 2.500 a 3.000 pessoas, as  quais participaram também de caminhada pelas ruas centrais da cidade, portando cartazes e palavras de ordem, com destaque para o conhecido “Fora Temer”.

(Foto: Luan Dourado)
Professores da UFMT se fizeram presentes
(Foto: Maria Elsa Markus)