Centro-Oeste é o terceiro em infestação do Aedes aegypti

Escrito por:
Mosquito Aedes aegypti
(Imagem: Internet)

Segundo dados divulgados ontem pelo Ministério da Saúde (MS), a região Centro-Oeste é a terceira no ranking nacional de infestação do mosquito Aedes aegypti (transmissor da dengue, zika e chikungunya), em termos de municípios em situação de alerta.
Em primeiro está o Nordeste (41%), seguido pelo Norte (40,4%), Centro-Oeste (20,1%), Sudeste (19,32%) e Sul (13,66%).
No Centro-Oeste e no Nordeste, o maior número de focos foi registrado em toneis e barris, usados costumeiramente pelas populações para armazenar água.
Tendo por base o Levantamento Rápido de Índices de Infestação pelo Aedes aegypti (LIRa), O MS aponta que 357 cidades brasileiras estão em situação de risco para a ocorrência de dengue, zika e chikungunya, pois nelas mais de 9% dos imóveis visitados continham larvas do mosquito. Já 1.139 municípios estão em situação de alerta. Isso significa que entre 1% e 3,9% dos imóveis locais tinham larvas. E 2.450 municípios foram classificados como satisfatórios por apresentarem percentual menor de 1% para presença de larvas.
Cerca de 1.600 municípios não realizaram ou não informaram o índice de infestação. Caso isso não seja feito até o dia 14 de dezembro, quando será publicado o relatório final, as cidades não receberão a segunda parcela do Piso Variável de Vigilância em Saúde, conforme pactuado na Comissão Tripartite, que tornou obrigatória, no início deste ano, a disponibilização das informações.
Capitais
Em relação às capitais, estão em situação satisfatória Macapá, Fortaleza, Goiânia, Belo Horizonte, João Pessoa, Teresina, Curitiba, Rio de Janeiro e Palmas. As que estão em alerta são: Maceió, Manaus, Salvador, Vitória, Recife, Natal, Porto Velho, Aracaju e São Luís.
As demais, inclusive a Capital Federal, Brasília, ainda não enviaram as informações.
Da Redação com Agência Brasil

Continue Lendo


Opine aqui

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *