Citado no depoimento de Riva, Blairo diz que nada fez de errado

Escrito por:
Riva “entrega” e Blairo nega
(Foto: Circuito MT)

O senador licenciado e atual ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Blairo Maggi (PP), diante da grande repercussão que o depoimento do ex-presidente da Assembleia Legislativa de Mato Grosso, José Riva (sem partido), está tendo no Estado e por todo o País, emitiu nota a respeito do assunto, afirmando que está tranquilo e que nada fez de errado.
As declarações (leia matéria aqui) – dadas por Riva ontem, durante o reinterrogatório da ação penal derivada da Operação Imperador, conduzida pela juíza Selma Rosane Santos Arruda, 7ª Vara Criminal de Cuaibá, que investiga o crime organizado, no Estado – atingem Blairo Maggi, ex e atuais deputados estaduais (num total de 33), dentre eles o ex-prefeito de Rondonópolis Percival Santos Muniz (PPS), que deixou a Prefeitura em 31 de dezembro de 2016 e que foi deputado estadual (2006-2010), durante o governo de Blairo Maggi.
Esquema
A ação apura suposto esquema que teria desviado R$ 62 milhões da Assembleia Legislativa, de 2005 a 2009. O esquema operava por meio de compras de fachada, com empresas fornecedoras de materiais do Legislativo.
Blairo negou na nota, que pagava propinas milionárias para os deputados estaduais, durante o período em que foi governador (2003-2010), para que tivesse apoio na Assembleia Legislativa e, que cumpria com sua obrigação constitucional de repassar o duodécimo do Poder Legislativo, recurso destinado pelo Executivo para as despesas das instituições públicas. “Tenho a consciência tranquila, nada fiz de errado e tenho certeza de que isso será devidamente comprovado”, afirma o ministro, citando na nota, que Riva que Riva “reconheceu” que ele (Blairo), se recusou a participar de esquema de distribuição de propina a deputados.
No entanto, José Riva cita no depoimento, que a propina ocorria desde a gestão Dante de Oliveira (PSDB) e que assim que Maggi assumiu, os deputados procuraram Riva para saber se os repasses continuariam. “Aí começou o Governo Blairo e ele falou que não ia continuar com isso. Ele estava disposto a passar um valor para a Assembleia, mas que fosse para passar a todos os deputados, para ajudar o governo na Assembleia”, afirmou Riva, completando que, “no período de 2003 a 2004, foram movimentados R$ 1,1 milhão. Em 2005, aumentou para R$ 3,4 milhões. Em 2006, foram R$ 6 milhões. Em 2007, quando era presidente o Sérgio Ricardo [atual conselheiro afastado do TCE], foram R$ 12 milhões e em 2008, R$ 15 milhões”.
No período de 2005 a 2008, segundo José Riva, o governo de Blairo teria repassado um total de R$ 37,5 milhões a boa parte dos deputados, à época.
Leia a nota de Blairo Maggi:
“Sobre o depoimento prestado na data de hoje (31/03) pelo ex-deputado José Riva à Justiça, esclareço que:
1. O próprio José Riva reconheceu que me recusei terminantemente, enquanto governador do Mato Grosso, a participar de qualquer esquema de distribuição de propina a deputados.
2. O orçamento do Estado do Mato Grosso é debatido e votado anualmente pela Assembleia Legislativa. Nele estão incluídas as previsões orçamentárias dos três poderes, que são independentes e fiscalizados pelo Tribunal de Contas do Estado.
3. O Poder Executivo, no caso o governador, não tem qualquer ingerência na execução orçamentária da Assembleia Legislativa.
4. Tenho a consciência tranquila, nada fiz de errado e tenho certeza de que isso será devidamente comprovado.”
Blairo Maggi.”
Com informações Folhamax/Mídia News

Continue Lendo


Opine aqui

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *