Continua a ladainha sobre importância da reforma da Previdência

Escrito por:
Reunião definiu sobre divulgação
(Reprodução/Twitter do Palácio do Planalto)

Com seu governo rejeitado por quase 70% da população, segundo pesquisa Datafolha de 30 de abril último, Michel Temer (PMDB) tenta vender “gato por lebre”, insistindo de que a reforma da Previdência é importante.
Para tanto, seu governo fará, nos próximos dias, um amplo trabalho de divulgação para explicar à população os objetivos e efeitos da sua malfadada reforma, depois que conseguiu aprovação pelo Congresso da Lei de Terceirização e da alteração da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), cujas modificações subtraem direitos dos trabalhadores.
Usando da desculpa esfarrapada de que sua reforma se propõe a combater privilégios e fazer com que as pessoas mais pobres e vulneráveis sejam protegidas, na realidade as mudanças visam, prioritamente, equilibrar as contas públicas – obviamente, arrancando mais ainda, o coro do trabalhador brasileiro.
Esse artifício de Temer, foi definido ontem à tarde em reunião no Palácio da Alvorada, entre ele, o relator da reforma da Previdência, deputado Arthur Maia (PPS-BA) e ministro da Secretaria de Governo, Antonio Imbassahy.
Destaques
A expectativa é de que amanhã (9) sejam votados os destaques à proposta de reforma da Previdência. O texto-base do projeto substitutivo elaborado por Maia foi aprovado na quarta-feira (3). O texto do relator traz mudanças em relação à proposta original encaminhada pelo governo para alterar os critérios de acesso ao benefício da aposentadoria.
Depois da conclusão do voto dos destaques, se ocorrer alterações, os membros do colegiado finalizarão o texto que seguirá para o plenário da Câmara, onde o projeto pode voltar a ser alterado por meio da apresentação de emendas e novos destaques.
A PEC precisa ser votada em dois turnos pelo plenário, com pelos menos 308 votos para ser aprovada e encaminhada para análise do Senado.
Da redação com Agência Brasil
Compartilhar: Facebook Google Plus Twitter

Continue Lendo


Opine aqui

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *