Fagundes defende o adiamento das eleições municipais

WF vai apresentar PEC para unificar eleições
WF vai apresentar PEC para unificar eleições

Durante entrevista concedida ao jornalista Jeziel Carvalho, da Rádio Senado, na quarta-feira (20), sobre um possível adiamento das eleições deste ano, em razão da pandemia provocada pelo coronavírus, o senador rondonopolitano Wellington Fagundes (PL-MT), revelou que vai apresentar uma proposta de emenda à Constituição (PEC), para que os mandatos dos atuais prefeitos e vereadores sejam prorrogados até 2022, unificando essa modalidade de eleições com as de presidente, senadores, governadores e deputados federais e estaduais.
Efeitos benéficos
Fagundes disse que a mudança na Constituição produzirá efeitos benéficos a curto e a longo prazo. “A curto prazo, permitindo que os recursos públicos que estão destinados à Justiça Eleitoral, R$ 4 bilhões, e ao fundo eleitoral, mais R$ 2 bilhões este ano, sejam relacionados para enfrentar a doença pela união pelos estados e pelos municípios. E a longo prazo, as dificuldades financeiras e administrativas decorrentes das frequentes suspensões de transferência de recursos aos estados e municípios, que ocorrem a cada dois anos, por vários meses antes das eleições, passariam a ocorrer em intervalos mais espaçados de quatro em quatro anos”, explicou.
De acordo com a Agência Senado, o presidente da Casa, Davi Alcolumbre, já anunciou a criação de uma comissão mista ou um grupo de trabalho, formada por deputados e senadores, para tratar do assunto.
Alcolumbre é favorável ao adiamento das eleições, mas não da prorrogação dos mandatos de prefeitos e vereadores sem, no entanto, detalhar como isso ocorreria.
Se muitos – vereadores, principalmente – já não fazem nada em 4 anos, imagina mais 2 anos de moleza.
Fala sério, senador!
(Com informações da Agência Senado)