Falta de diálogo, azeda relação do prefeito com a base

Escrito por:
Chapa para a Mesa da Câmara foi desmontada na última hora

Reclamando de falta de diálogo do prefeito Zé Carlos do Pátio (SD) com o grupo, vereadores do partido e da base de apoio, tem demonstrando insatisfação quanto a esse fator primordial e preponderante, dando como resposta  seus votos contrários à aprovação de regime de urgência, a projetos que o Executivo tem mandado para a Câmara Municipal, para apreciação e posterior aprovação.
Essa aresta ficou bem evidenciada, na sessão ordinária de quarta-feira passada, quando a base votou contra o regime de urgência, solicitado sobre a prorrogação do prazo determinado para o recadastramento anual junto à Secretaria Municipal de Transporte e Trânsito (Setrat) sem o pagamento de multa para taxistas e moto-taxistas, que venceria no dia da sessão (15), que acabou sendo aprovado pelo bloco de oposição – que tem maioria no Legislativo -, e que havia pedido ao Prefeito, a prorrogação do prazo.
A aprovação da prorrogação deu novo prazo aos profissionais desse área (cerca de 30%), ficando estabelecido o dia 15 de abril, para regularizem sua situação, junto ao órgão municipal.
Mesa Diretora
A falta de diálogo de Zé Carlos do Pátio, segundo informações que o Blog Estela Boranga comenta possui, também permitiu que a formação da chapa liderada pelo vereador Rodrigo Lugli (PSDB), que foi a escolhida no dia 1º de janeiro, para comandar a Mesa Diretora da Câmara Municipal, na atual legislatura, conforme o blog havia noticiado, antecipadamente no sábado, dia 31 de dezembro (leia matéria aqui).
Essa mudança, já que durante a última semana de dezembro era dado como certa a escolha da chapa encabeçada pelo vereador Hélio Pichioni (PSD), também se deveu à resistência de Zé Carlos do Pátio, em conversar com vereadores da, agora, oposição.
Em “casa”
Também o relacionamento com membros do seu partido, o Solidariedade, não estaria 100%,  em razão de que, segundo alguns deles revelaram ao blog, Zé Carlos têm dado mais atenção a partidos que foram adversários seus nas eleições, do que aos que “suaram a camiseta” para elegê-lo.
Isso, no tocante à nomeação de secretários e de cargos de segundo escalão.
Também uma pessoa muito próxima a ele me confidenciou que, inicialmente, se acreditava que Zé Carlos do Pátio não iria agir isoladamente nas decisões, como fez em seu primeiro e curto mandato, quando praticamente se “blindou”, mas que após assumir o comando do Executivo, o prefeito voltou ao velho costume.
São arestas que devem se aparadas, para que o projeto de transformar Rondonópolis, finalmente, na potência que merece ser, tenha êxito.
Caso contrário, as coisas não vão andar como se espera!

Continue Lendo


um comentário

  1. Com essa “base” aí o Zé não constrói sequer uma meia água numa dessa invasões de beira de rodovia.

Opine aqui

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *