Imperdoável

Carmem era uma das melhores secretárias municipais (Arquivo do Blog)
Carmem era uma das melhores secretárias municipais
(Arquivo do Blog)

A exoneração da professora Carmem Garcia Monteiro do cargo de Secretária Municipal de Educação de Rondonópolis, esta semana, por conta do adiamento do início do ano letivo, causou surpresa e indignação ao blog, uma vez que consideramos a medida precipitada, por parte do prefeito Zé Carlos do Pátio (SD).
Carmem Monteiro é altamente qualificada para o cargo, sendo que era um dos melhores nomes do secretariado desde a sua composição, tão logo Zé Carlos assumiu o cargo, somando em seu currículo como educadora, 32 anos como concursada do Estado e 20 como concursada do município, nos quais desempenhou funções de chefe de departamento, coordenação e direção, por   várias ocasiões.
Em informações levantadas pelo blog, a que nos causou indignação ainda maior  foi a de que a exoneração teria sido comunicada a Carmem Monteiro, ainda na tarde do dia 12, pelos secretários Mara Gleibe Fonseca (Governo) e Paulo José Correia (Habitação e Urbanismo), designados pelo Prefeito especialmente para essa finalidade, que não teve a sensibilidade de ele mesmo comunicá-la de sua, no mínimo intempestiva decisão, que só seria pior se tivesse sido feita por telefone.
Devido à repercussão negativa que a exoneração causou, principalmente junto aos profissionais da Educação e à maioria dos vereadores, Zé Carlos – certamente vendo o “desastre” (para não usar de outra palavra mais ácida) que havia cometido – solicitou, também por terceiros, que Carmem se avistasse com ele na tarde de ontem (13), quando colocou que havia voltado atrás na decisão de exonerá-la do cargo, isso depois do assunto ter circulado nos quatro cantos da cidade.
De acordo ainda com as informações, a resposta de Carmem Garcia Monteiro – que não poderia ser outra – é de que não mais aceitaria continuar à frente da Secretaria Municipal de Educação (Semed) e que tiraria 82 dias de férias acumuladas, já que estava como Secretária Municipal há mais de 03 anos, sem ter usufruído desse benefício.
A princípio, o não retorno à função seria em caráter irrevogável, até porque com profissionalismo não se brinca.
Tentando por “panos quentes” no assunto, o Prefeito pediu a ela para que analisasse seu pedido de retorno, durante as férias.
Lamentamos que Zé Carlos tenha tido essa atitude com um de seus mais fiéis e qualificados secretários, principalmente porque o blog é sabedor de que as decisões são centralizadas nas mãos de quem vem tendo muito poder, mas sem a devida competência para tanto, que não agiu em tempo hábil para resolver as deficiências apresentadas por Carmem Garcia Monteiro, antecipadamente, o que causou a transferência de data para o início do ano letivo.
Podemos afirmar de que, se há culpado nessa história toda, com certeza não é a secretária, que no nosso entender foi injustamente exonerada.