Justiça volta a permitir o uso do glifosato

Escrito por:
(Nosso Foco)

Na manhã de hoje, a liminar (decisão provisória) que suspendia o registro de produtos à base das substâncias glifosato, tiram e abamectina no país – herbicidas dessecantes – foi derrubada pelo desembargador Kássio Nunes Marques, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1), em atendimento a um pedido da Advocacia Geral da União (AGU).
Na decisão, o desembargador entendeu que “nada justifica a suspensão dos registros dos produtos que contenham como ingredientes ativos abamectina, glifosato, o que causa lesão à ordem pública, por tirar as substâncias do mercado de maneira abrupta, sem a análise dos graves impactos que tal medida trará à economia do país e à população em geral.
Conhecido comercialmente como roundup, o glifosato é um herbicida usado contra ervas daninhas indesejadas em produções agrícolas e de acordo com entidades contrárias ao uso do agrotóxico na lavoura, há estudos que levantam suspeitas de que o produto pode ser cancerígeno.
Doenças
O glifosato – um herbicida dessecante, que acelera a secagem e a colheita dos cultivos – pode causar os seguintes malefícios, para a saúde humana, segundo o Organic Consumers Fund: afeta as funções da glândula tireóide; Alzheimer; Anencefalia (defeito de nascimento); Autismo; Defeitos de nascença; Câncer cerebral; Câncer de mama; Câncer; Intolerância ao glúten e doença celíaca; Doença crônica nos rins; Colite; Depressão; Diabetes; Doença cardíaca; Hipotireoidismo; Doença inflamatória intestinal; Doença hepática; Doença de Lou Gehrig (causa Esclerose Lateral Amiotrófica); Esclerose múltipla; Linfoma Não-Hodgkin; Parkinson; Problemas na gravidez (infertilidade, morte fetal, aborto espontâneo); Obesidade; Problemas reprodutivos; e Doenças respiratórias.
Dentre os favoráveis à liberação da substância está o ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Blairo Maggi, que chegou a dizer que a proibição do glifosato poderia inviabilizar as safras de soja e milho neste ano.
Maggi é um dos maiores produtores agrícolas do País, com propriedades extensas em Mato Grosso.
E a saúde dos brasileiros, já fragilizada, volta a correr sérios riscos!
Da Redação com Agência Brasil


Opine aqui

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *