Lula: “Provem uma corrupção minha que irei a pé ser preso”

Escrito por:
(Arquivo/O Globo)
(Arquivo/O Globo)

Emoção e indignação marcaram o discurso de Lula, proferido ontem à noite em São Paulo, para falar sobre a denúncia do Ministério Público Federal (MPF) feita na última quarta-feira. O ex-presidente da República chorou mais de uma vez, durante o pronunciamento. Pediu que deixem a família em paz, relembrou sua trajetória pessoal e política, falou sobre o impeachment, justiça e sociedade.
“Provem uma corrupção minha que irei a pé para ser preso”, disse Lula. “Após o espetáculo pirotécnico, vocês não ouviram uma palavra minha de ofensa. Não adianta ficar nervoso ou zangado, pois sofre mais. Vai fazer o jogo do adversário. Ontem não quis ficar zangado, mas não compreendia aquilo. Como você convoca uma coletiva, gastando dinheiro público em um hotel, montando uma estrutura para apresentar provas de um crime e dizem que não tem provas, mas tem convicção.”
Lula falou ainda sobre a diferença de tratamento da Justiça com políticos da esquerda e da direita e pediu o fim da truculência com sua família nas ações da Polícia Federal. “Eles pegaram uma helicóptero com 400 quilos de cocaína. Eles tinham provas. Eles viram a cocaína, mas não tinham convicção. Daí liberaram. (…) Eu digo publicamente o seguinte: ninguém respeita mais a lei neste país do que eu. Ninguém acredita nas instituições fortes como eu, pois só com instituições muito fortes, é que garantimos a democracia. Senão aparecem ditadores e gente querendo se perpetuar. Respeito as instituições e a lei. Vou prestar quantos depoimentos forem necessários. Pode me chamar que vou lá. Se tem uma coisa que eles têm que aprender, já que não estão habituados com o cidadão, é que a única coisa que a gente tem orgulho é conquistar o direito de andar de cabeça erguida neste país”, declarou o ex-presidente.
Querem, de todas as formas, ver se conseguem “sujar” o nome dele, com medo das eleições de 2018.
Cadê os Franciscos envolvidos até o pescoço na Lava Jato?
Com Correio do Povo


Opine aqui

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *