Foto: Johannes Eisele / AFP
Foto: Johannes Eisele / AFP

Pela primeira vez, o Brasil conquista medalha de ouro numa olimpíada, apesar de ser o único penta campeão em títulos conquistados em copas do mundo.
Depois de empatar em 1 a 1 no tempo normal e na prorrogação, a Seleção Brasileira venceu a Alemanha nas penalidades por 5 a 4, com Neymar batendo o pênalti decisivo.
Há de dar o mérito também ao goleiro Weverton, que ao defender o pênalti dos alemães, também abriu caminho para a conquista do ouro, concretizada pela cobrança perfeita de Neymar.
Há quatro anos, o Brasil perdeu a chance de conquistar o ouro, derrotado pelo México na final, em Londres. Desde então, uma enorme humilhação na Copa do Mundo-2014 e seguidas eliminações decretavam a decadência do futebol brasileiro. Neste sábado, a volta por cima: vitória sobre a Alemanha, a responsável pela goleada histórica 7-1, e a conquista da tão sonhada glória olímpica, após as decepções das pratas nos Jogos de Los Angeles-1984, Seul-1988 e Londres-2012 (além das medalhas de bronze de Atlanta-1996 e Pequim-2008).
Parabéns Seleção, pela conquista do ouro olímpico que desentalou a espinha de peixe que tínhamos na garganta, desde a fatídica e vergonhosa derrota para a Alemanha, sofrida na última Copa do Mundo.
Com Correio do Povo

BalançaO salário dos juízes no Brasil tem um teto. Não pode ultrapassar o salário de ministros do Supremo Tribunal Federal, o STF, hoje em R$ 33.763. Na prática, já se sabe há um tempo, não é bem assim. Um levantamento conseguido em primeira mão pelo jornal O Estado de S. Paulo mostra que a correlação é bem mais desproporcional. Um desembargador (como é chamado o juiz de segunda instância nos Estados) em Minas Gerais ganha, em média, líquido, R$ 56 mil por mês. Em São Paulo, R$ 52 mil. No Rio de Janeiro, R$ 38 mil.
Esses valores superam os pagos a um juiz similar no Reino Unido, que recebe cerca de R$ 29 mil, e até dos Estados Unidos, cujo salário mensal médio é de R$ 43 mil. Chega a ser superior a juízes da Suprema Corte de países da União Europeia, como Bélgica e Portugal.
Engorda
Os salários básicos são engordados por adicionais legais, sustentados por interpretações da legislação. Mas formam vários andares acima do teto. Como disse a ministra Cármen Lúcia numa audiência no STF: “Além do teto, tem cobertura, puxadinho e sei mais lá o quê”, numa referência ao fato de que o limite vale mesmo, apenas para os 11 ministros do Supremo.
Os juízes são o topo da cadeia de servidores públicos, diz o responsável pelo levantamento, Nelson Marconi, coordenador Executivo do Fórum de Economia da Fundação Getulio Vargas.
Segundo Marconi, quando há uma demanda por qualquer tipo de benefícios no funcionalismo, os juízes costumam abrir o ciclo de negociações. Na sequência, diz, vêm Polícia Federal, Receita, advogados do Executivo, Banco Central e Tesouro Nacional, numa fila que se estende até funcionários administrativos e professores.
Este ano, o poder de mobilização do Judiciário já foi visto. Foi a primeira a defender o seu reajuste salarial, tão logo o governo interino assumiu. Na negociação do pacote de ajuda de União aos Estados, foi a primeira categoria que se opôs à contabilização dos ganhos adicionais como parte dos salários, para fins de adequação aos limites da Lei de Responsabilidade Fiscal.
“Todas as categorias vão atuar contra o ajuste fiscal, basta ver que depois que os juízes conseguiram o reajuste as demais entraram pedindo o seu também”, diz Marconi. “O verdadeiro desafio será vencer o corporativismo de inúmeras categorias que vão se mobilizar para pressionar o Congresso e escapar da tesoura”, diz o economista Marcos Lisboa, presidente do Insper e ex-secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda.
Adicionais
Marconi explica que o teto do Judiciário é rompido por uma série de verbas adicionais. Há diferentes abonos e gratificações – por tempo de serviço, por dupla função e substituição de colegas em férias ou em licença. Também existem os auxílios – auxílio pré-escolar, auxílio-saúde, auxílio-moradia. Os ganhos adicionais são legais e uma parte deles são até eventuais – como gratificações natalinas ou por férias ou mesmo por ganhos em processos judiciais movidos pelos próprios juízes.
“Tudo deveria estar dentro do subsídio, mas ficou difícil conseguir aumentos no subsídio e vieram os penduricalhos”, diz Janaina Penalva, professora de direito constitucional da Universidade de Brasília. Por causa dos “penduricalhos”, diz, a transparência fica prejudicada. Mesmo os dados divulgados são “restritos” e “obscuros”.
As circunstâncias políticas, porém, em que o Judiciário é protagonista, principalmente na área criminal com a Operação Lava Jato, não são, para ela, consideradas favoráveis: “Há um desinteresse estratégico neste momento por pressionar o Judiciário.” Pesquisa O levantamento sobre os ganhos mensais de desembargadores nos Estados de São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro foi feito pela internet, nos links dedicados à transparência nos sites dos Tribunais de Justiça. Chamaram a atenção os altos valores pagos em janeiro e junho deste ano em Minas, muitos superiores a R$ 100 mil líquido. Alguns eram próximos a R$ 200 mil.
Cálculo do teto segue a lei, dizem tribunais
Procurados pela reportagem, as assessorias de imprensa dos Tribunais de Justiça defenderam a forma de cálculo adotada para cumprir o teto salarial do Judiciário, com os adicionais que chegam a mais que dobrar o salário-base.
O tribunal mineiro destacou que “a remuneração mensal de magistrados e servidores respeita os limites legais e o teto constitucional e que acréscimos à remuneração decorrentes de passivos ou de natureza indenizatória não integram os limites do teto remuneratório ou da Lei de Responsabilidade Fiscal”.
O Tribunal de Justiça de São Paulo complementou que “o teto constitucional, até mesmo por imposição legal, não pode abranger verbas de natureza indenizatória, tais como auxílio-alimentação e indenizações de férias não gozadas por absoluta necessidade do serviço.”
O tribunal paulista destacou ainda que não foi contra o teto para os gastos do funcionalismo dentro do projeto de negociação das dívidas dos Estados: a oposição foi à proposta de alteração da Lei de Responsabilidade Fiscal, que foi “indevidamente embutida” na proposta “sem prévia e ampla discussão de suas consequências para o serviço público em geral”. Em relação ao reajuste da categoria, disse ainda:
“Não nos posicionamos em favor de aumento de vencimentos ou subsídios, mas pela simples reposição das perdas geradas pelo desgaste inflacionário.” O Tribunal de Justiça do Rio enviou nota dizendo que, por causa da Olimpíada, estava em regime de plantão, sem condições de atender os questionamentos da reportagem.
Pátria amada, mãe gentil!
Para poucos, privilegiados!
Com Estadão Conteúdo

AplicativoO Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso (TRE-MT) disponibilizou várias ferramentas em seu site, para que o eleitor possa ter acesso a todas as informações, sobre as eleições municipais deste ano.
Paulatinamente, o blog Estela Boranga comenta estará informando sobre essas ferramentas de acesso, como já o fez em edição anterior sobre o aplicativo Pardal, que serve para denúncias de crimes eleitorais e que foi adotado também, pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), na semana passada.
Na edição de hoje, trazemos informações sobre duas ferramentas e suas utilidades, ao eleitor.
Confira:
Aplicativo JE Processos
O aplicativo JE Processos facilita o acompanhamento de processos que tramitam na Justiça Eleitoral, no qual advogados, partidos, candidatos e quaisquer outros interessados poderão realizar o acompanhamento dos processos judiciais e administrativos por meio de dispositivos móveis, como smartphones ou tablets.
O aplicativo pode ser baixado por aparelhos que utilizam sistemas operacionais Android ou iOS, disponíveis pelo Google Play e App Store, e seu uso é simples. As pesquisas processuais podem ser feitas pelo nome das partes envolvidas, pelo nome do advogado ou pelo número do processo. Além disso, apresenta opções, como por exemplo, colocar o processo na pasta de “favorito”, para facilitar o acompanhamento e a visualização de andamentos e decisões.
Acesse pelo link: http://www.tre-mt.jus.br/servicos-judiciais/aplicativo-je-processos
Mural Eletrônico
O Mural Eletrônico foi instituído pelo TRE-MT em 2014, como meio oficial de publicação dos atos judiciais e atos ordinatórios a serem publicados em Secretaria ou em Cartório, durante o período eleitoral, no âmbito de sua competência. Diariamente, no intervalo das 10 às 19h, o Mural Eletrônico poderá receber publicações, as quais serão disponibilizadas, inclusive aos sábados, domingos e feriados.
Havendo interesse, os advogados, partes e demais pessoas poderão receber mensagens eletrônicas informando a publicação de decisões em Mural Eletrônico, mediante cadastramento no sistema Push do processo que deseja acompanhar.
Acesse pelo link: http://www.tre-mt.jus.br/servicos-judiciais/mural-eletronico/inicial

.

Eleições municipaisSegundo levantamento realizado pelo site Mídia News, dos 266 candidatos que disputam prefeituras em Mato Grosso nas eleições deste ano, dezenove deles possuem patrimônio avaliado em mais de R$ 10 milhões, de acordo com suas declarações de bens, ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), junto ao pedido de registro de candidatura de cada um.
Lidera a lista, o atual prefeito de Lucas do Rio Verde, Otaviano Pivetta (PSB), cujos bens totalizam mais de R$ 359 milhões. A lista inclui propriedades rurais, participações em empresas e créditos em contas bancárias.
Em segundo lugar está Carlos Capeletti (PSD), de Tapurah, com patrimônio declaro de mais de R$ 113 milhões.
Capeletti atua no ramo do agronegócio e possui propriedades rurais em várias cidades do Estado.
O terceiro lugar da lista dos candidatos “mais ricos” de Mato Grosso é ocupado pelo atual prefeito de Sorriso, Dilceu Rossato (PSB), que declarou bens que somam mais de R$ 91 milhões, entre participações em empresas, veículos, máquinas agrícolas, além de diversos imóveis, entre fazendas, casa e apartamentos.
Veja abaixo, a lista dos dezenove candidato a Prefeito, mais ricos de MT:

Mais ricos

Com Mídia News

policia civil_7O ex-investigador da Polícia Judiciária Civil de Mato Grosso (PJC), Hairton Borges Júnior, foi condenado, esta semana, pela juíza da 7ª Vara Criminal de Cuiabá, Selma Rosane Arruda, , pelo crime de peculato. A pena aplicada foi de quatro anos de prisão e 60 dias multa. Porém, a pena privativa de liberdade foi substituída por penas privativas de direito.

Peculato

O crime de peculato incide sobre a apropriação por parte de funcionário público, de dinheiro, valor ou qualquer outro bem móvel, público ou privado de que tenha a posse em razão do cargo, ou desviá-lo em proveito próprio ou alheio.
O condenado foi demitido do serviço público, após um procedimento administrativo disciplinar (PAD) concluir que havia provas suficientes de que extorquia traficantes, com valores variáveis de R$ 3 mil a R$ 10 mil para fazer vistas grossas ao comércio de drogas, em bairros da periferia de Cuiabá.
A denúncia criminal foi encaminhada ao Judiciário no dia 19 de janeiro de 2012 e narra que o investigador, que era lotado na Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), decidiu se apropriar indevidamente de patrimônio público.
Conforme os autos, O ex-investigador se apropriou de um rádio HT Motorola com carregador e um cilibim com cabo.
A investigação que apontou indícios do crime de peculato se deu com base em informações de um inquérito policial que apurava a suspeita de envolvimento de Hairton Borges Júnior, com o tráfico de drogas.
Durante o cumprimento de mandado de busca e apreensão em sua residência, autorizado pela Justiça, policiais da Corregedoria Geral da Polícia Judiciária Civil, com o apoio do Grupo de Operações Especiais (GOE), encontraram bens de propriedade da Secretaria de Estado de Segurança Pública (SESP).

Com Folhamax

Processo seletivoA Prefeitura de Alto Araguaia (MT) continua com inscrições abertas para o processo seletivo simplificado, destinado a selecionar quatro profissionais de nível médio e superior ,para os cargos de Instrutor de Coral, Coordenador ACESSUAS, Técnico de Nível Médio ACESSUAS e Instrutor de Balé.
O certame oferece salários que variam de R$ 900,00 a R$ 2.300,00.
Para se inscrever é necessário preencher o formulário de inscrição, disponível no site da organizadora responsável pela seleção: Instituto Excelência (www.institutoexcelenciapr.com.br), até o dia 29 deste mês.
A taxa de inscrição custa R$ 20,00 para nível médio e R$ 30,00, para nível superior.
Os inscritos serão avaliados através de prova escrita objetiva, que está prevista para ser realizada no dia 11 de setembro de 2016. O gabarito preliminar será publicado provavelmente no dia posterior de realização da prova.
Os candidatos aprovados serão convocados para contratação, atendendo às necessidades da Administração Pública, seguindo-se rigorosamente a ordem de classificação até o limite de vagas estabelecido neste certame ou aquelas vagas surgidas durante a validade do processo seletivo, que será de um ano, contado a partir da data de publicação de sua homologação.
Edital no link: http://www.institutoexcelenciapr.com.br/?pag=mco&id=35
Fonte: Concursos no Brasil

bannerLonge, mas muito longe dos padrões adotados por empresas brasileiras, cuja maioria, se puder “tira até o couro” do funcionário, uma empresa dos EUA decidiu inovar em sua política de recursos humanos e passou a sortear um pacote de “férias forçadas” a alguns de seus membros de seu quadro de pessoal, em um programa batizado de “Fool’s Errand” (expressão em inglês que significa “missão impossível”).
A Motley Fool, companhia de serviços financeiros situada no estado de Virginia, criou um programa especial que sorteia, a cada mês, o nome de um funcionário que será agraciado com duas semanas de férias.
O sorteado recebe uma quantia de US$ 1,5 mil para gastar com o que desejar, além do período de descanso. “O escolhido deve deixar a empresa imediatamente e não fazer contato com o escritório. O dinheiro só será disponibilizado nestas condições”, diz a empresa ao apresentar seu programa.
Tirar férias e ainda receber uma “recompensa” para desfrutá-las? Isso passa de sonho.
No Brasil, chega a ser uma utopia.

Com G1 SP

galeria-joinville-24as427-credito-pulsar-imagens-andre-sealeA falta de cumprimento das atribuições e responsabilidades do Estado brasileiro para com os cidadãos tem feito com que a população seja criativa e se vire por conta própria para conseguir maior segurança, apesar da grande lista de impostos que os brasileiros têm de pagar.
É o que acontece na comunidade rural de Vila Nova, na cidade catarinense de Joinville, onde estão sendo colocados outdoors de alerta aos ladrões, nas entradas das propriedades.
Nos anúncios está escrita a frase: “Devido ao grande número de assaltos e latrocínios, não toleramos atitudes suspeitas. Para sua segurança, identifique-se. Sujeito a levar tiros”.
Sem confirmar que possuem armas em casa, os moradores tentam, com dessa forma, se precaver contra a onda de crimes que se registra naquela região.
Crimes na região
No começo de julho, um aposentado de 72 anos foi morto dentro da própria casa. O idoso tinha recebido o dinheiro da aposentadoria. Os moradores reclamam da falta de policiamento.
O posto mais próximo da Polícia Militar, fica a mais de 10 km da região central da comunidade. De acordo com a polícia, uma operação foi feita na região durante 30 dias, com abordagem de suspeitos. As rondas continuam, mas a corporação da PM diz não ter efetivo para manter a operação.
Com G1 SC

Através de advogado, a candidata a vice-Prefeito Marildes Ferreira, da coligação “Rondonópolis merece Mais” protocolou no final da tarde de hoje, na 45ª Zona Eleitoral de Rondonópolis, sua manifestação à intimação da Justiça Eleitoral, quanto a estar irregular no registro da candidatura, conforme matéria veiculada hoje, com exclusividade pelo blog Estela Boranga comenta, que teve como base o Despacho do juiz eleitoral Wlademir Perry, emitido hoje pela manhã.
Segundo o despacho, Marildes deveria, em 72 horas, “apresentar prova de filiação partidária junto ao PSD, uma vez que no Relatório Oficial da Justiça Eleitoral consta que a candidata está filiada ao Partido Popular Socialista – PPS”.
Tão logo encaminhou o documento, a candidata postou uma imagem da capa da cópia em um grupo social que administra (conforme print), tranquilizando seus simpatizantes, afirmando que o parecer do Ministério Público tinha sido favorável ao deferimento do registro de sua candidatura. Apesar de que parecer favorável, não é suficiente para mudar decisão de nenhum juiz. Essa prerrogativa, cabe a ele, somente.
Entende-se a euforia de seus seguidores e desprendimento da candidata em despreocupá-los, que chegou ao cúmulo de – tão logo a matéria começar a ser veiculada pelo blog – ter colocado que “mentiras e calúnias vão aparecer”.
Quero lembrar à candidata Marildes, que a matéria do blog transcreve, fielmente, a decisão do juiz eleitoral Wladimir Perry, da 45ª Zona Eleitoral, que pode ser comprovada pelo acesso à decisão, constante ao final da matéria.
Ela quis fazer crer em seu comentário no grupo social, que o mentiroso e caluniador seria o blog Estela Boranga comenta, que como veículo de comunicação de reputação ilibada, prima sempre pela verdade e transparência transcreveu a decisão do magistrado.
Como o colocado na matéria por mim, caso não consiga reverter a decisão do magistrado, que deverá ainda apreciar e analisar a manifestação por ela enviada, para somente depois considerá-la apta a concorrer ao cargo, ela corre sim, o risco de ter sua candidatura indeferida, como qualquer outro ser mortal.
Prudência, caldo de galinha, humildade e boca fechada, nunca são demais!

semana-sustentabilidadeEntre os dias 22 e 27 de agosto acontece a Semana de Sustentabilidade em 35 unidades do Senac.A programação totalmente gratuita é composta por palestras, mesas redondas, oficinas e workshops e destinada ao público, em geral

Para esta 4ª edição o tema escolhido é Transformando Nosso Mundo: a agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável, inspirado em documento da Organização das Nações Unidas (ONU). Neste material constam os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), que consistem em 17 ações voltadas para as pessoas, o planeta e a prosperidade em busca do equilíbrio universal.
Assim como nas edições anteriores, o objetivo do evento promovido pelo Senac é abordar a sustentabilidade por meio de atividades interativas que provoquem reflexão do público. “A Semana Senac de Sustentabilidade amplia as discussões da área para além das questões ambientais, incorporando as três dimensões do desenvolvimento sustentável: social, ambiental e econômica”, explica Valquiria Monte Cassiano Rizzo, coordenadora do evento no Senac São Paulo.
Para conhecer a programação e se inscrever basta acessar o linkwww.sp.senac.br/semanadesustentabilidade.
Serviço:
Semana Senac de Sustentabilidade
Data: 22 a 27 de agosto
Local: Rede Senac São Paulo
Valor: totalmente gratuito