Rondonópolis perde a pioneira Jupia Mestre

Dona Jupia era um dos ícones do pioneirismo local (Aquivo de família)
Dona Jupia era um dos ícones do pioneirismo local
(Arquivo de família)

A pioneira rondonopolitana Jupia Oliveira Mestre (90 anos) faleceu na madrugada de hoje (4), em sua residência, cujas causas não foram informadas pela família.
Viúva do também pioneiro José Salmen Hanze (Zé Turquinho), libanês naturalizado brasileiro, contribuiu assim como ele, para o crescimento e desenvolvimento de Rondonópolis, com a abertura de vários loteamentos.
Considerada uma mulher à frente de seu tempo, dona Jupia dedicou-se à filantropia tendo doado terrenos para a construção das escolas estaduais Joaquim Nunes Rocha, Salmen Hanze, parte do Cesur, Senai, e escolas municipais da Vila Mamede, do Lajeadinho e Queixada, Aeroporto, Ponto Chique e Alto Bandeirantes, doando ainda a área que culminou na implantação do primeiro distrito industrial de Rondonópolis e do antigo aeroporto municipal.
De seu patrimônio imobiliário de 45 mil hectares – iniciado pelas atividades de mascate que Zé Turquinho desenvolveu pela região, logo após sua chegada aqui  – ainda fez a doação da área onde hoje estão construídas a Santa Casa de Misericórdia; o escritório do extinto Departamento Nacional de Estradas e Rodagens (atual DNIT); o posto da Polícia Rodoviária Federal; o 5º Batalhão da Polícia Militar; a sede da Fundação Mato Grosso; a residência dos comandantes do Exército Brasileiro de Rondonópolis; a atual Estação Rodoviária de Rondonópolis; 50% do Caiçara Tênis Clube; o quartel do Exército; a delegacia da Polícia Federal; o Hospital Paulo de Tarso; a sede do Rotary Clube na Vila Birigui; a Loja Maçônica Marechal Rondon nº 2 ; além de várias outras que hoje sediam clubes de lazer de diversas categorias profissionais.
Segundo a nota divulgada pela família, dona Jupia sempre dizia que a grande contribuição que deixaria para Rondonópolis seria a ajuda à sociedade, aos menos favorecidos. “Eu ajudo como posso. Às vezes, não posso dar muito” e externava que após seu falecimento, gostaria de ser lembrada por ter muitos amigos e ser considerada mãe de muitos, o que com certeza será motivo de lembrança pelos mais necessitados aos quais estendeu a mão.
A pioneira deixa as filhas Tereza e Maria Rosilene Mestre, 6 netos e 2 bisnetos e o velório está sendo numa da capelas do Cemitério Municipal de Vila Aurora, com o sepultamento marcado para as 16 horas de hoje, no campo santo.
Desfrutamos honrados da amizade desta simples pessoa, que apesar de sua pequena estatura era um grande ser humano e que mesmo  possuindo um vasto patrimônio imobiliário – conquistado com muito suor e trabalho, junto com seu falecido esposo –, jamais usou de vaidade e de diferença para com seus semelhantes.
Externamos nossos profundos sentimentos aos familiares e pedimos ao Criador que lhe conceda justo e merecido lugar, em seu descanso eterno.