Servidores Municipais marcam paralisação geral para quinta-feira

Decisão foi tomada por unanimidade
Decisão foi tomada por unanimidade

Em assembleia da categoria na manhã de ontem na Câmara Municipal pelo Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Rondonópolis (Sispmur), os servidores municipais decidiram, por unanimidade, pela paralisação geral de um dia, a acontecer na quinta-feira (13), às 13h, em frente a Prefeitura Municipal.
As pautas reivindicadas pela paralisação, são:
1 – Criação de um vale alimentação no valor de R$ 500,00, observando como fizeram na Coder e Câmara Municipal de Rondonópolis, em que todos trabalhadores possuem o direito;
2 – Imediata realização de concurso público e posse dos aprovados, em todas as vagas existentes;
3 – Garantir a não remoção de servidores, para que sua vaga seja ocupada por terceirizados e contratados, mas sim garantir que as vagas abertas devem ser ocupadas por servidores efetivos;
4 – Correção dos (PCCV) – Planos de Cargos Carreiras e Salários da Secretaria Educação, Saúde e Instrumental;
5 – Regularizar as classes do PCCV da Secretaria de Educação, garantindo elevação de classes dos professores e assistentes, extinguindo do artigo do PCCV “requisitos da classe anterior”;
6 – Recriar as classes para os PCCVs dos profissionais da Saúde e Instrumental, conforme todos os entes municipais e o Estado de Mato Grosso;
7 – Reaver o direito dos servidores de cumprimento de carga horária de 30 horas, conforme edital de concurso dos servidores técnicos instrumentais e técnicos em saúde e apoio instrumental, obrigados por imposição do executivo; (abaixo assinado de toda categoria, protocolado anteriormente ao Prefeito);
8 – Recriar o direito de elevação de classe, dos servidores do Apoio Instrumental;
9 – Revisar o PCCV Instrumental, quanto às injustiças salariais criadas nas elevações de classe dos servidores auxiliares de serviços diversos do Apoio Instrumental;
10 – Perícia médica – estruturação do Desopem, com os mesmos direitos do SUS e do estado de Mato Grosso, onde o servidor passa por apenas 01 perito e até 3 dias de atestado médico, não necessita de passar pela pericia médica;
11 – Revisar a lei salarial dos servidores celetistas, maioria próximos de aposentadoria, criando novo escalonamento salarial mais justo;
12 – Regularizar a carga horária com piso salarial pagos de formas diferentes e desproporcional dos farmacêuticos e servidores de outros cargos oriundos da antiga Farmácia de Manipulação, do PCCV da Saúde;
13 – Pagar o passivo da ajuda de custo de transporte da zona rural, bem como da periculosidade devida no processo dos vigilantes. Em todos os casos havendo acordo e homologar na justiça;
14 – Atendimento da reivindicação do raio-X, com incorporação da gratificação estabelecida no plano de carreira para os técnicos instrumentais;
15 – Equiparação salarial dos fiscais do Procon, aos demais da categoria de fiscalização.