STF só vai julgar pedido de prisão de Aécio depois do recesso

Escrito por:
Livre até agosto
(Pinterest)

Tem coisas que não sabemos se rimos de raiva ou se choramos de vergonha.
Esta última de hoje do Supremo Tribunal Federal (STF), o único dos três Poderes a que ainda nos apegamos para ver a politicalha corrupta atrás das grades, é de “cair o queixo”.
Recesso
Segundo o portal Plantão Brasil, o pedido de prisão de Aécio Neves (PSDB-MG) e o recurso dele contra o afastamento do mandato, só serão julgados em agosto, após o recesso do Judiciário, conforme informou na tarde de hoje o gabinete do ministro Marco Aurélio Mello, relator da ação no Supremo.
Pedida ao STF no dia 02 deste mês pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, a prisão do tucano se insere na denúncia também contra Andrea Neves, contra seu primo Frederico Pacheco de Medeiros e Mendherson Souza Lima, cunhado do senador Zezé Perrella (PMDB-MG) e que fazem parte do grupo acusado de ter praticado o crime de corrupção passiva, na Operação Patmos, da Polícia Federal (PF).
Além disso, Aécio também foi denunciado por obstrução à Justiça.
Sem tempo hábil
Segundo funcionários do gabinete, o julgamento só poderá ser retomado após Janot emitir um parecer sobre o pedido de Aécio para que o plenário, composto pelos 11 ministros da Corte, decida sobre a prisão e o afastamento.
Inicialmente, o caso seria julgado pela 1ª Turma do Supremo, mas a defesa de Aécio pediu para que o caso fosse ao plenário.
A última sessão da 1ª Turma do STF antes do recesso será realizada amanhã e o último encontro do plenário será na quarta (28). Como a PGR ainda não divulgou sua opinião, há o entendimento de que não haverá tempo suficiente para que o caso seja julgado ainda neste semestre.
Julgamento adiado
O caso iria a julgamento na última terça-feira (20) na 1ª Turma, mas o relator, ministro Marco Aurélio, adiou o julgamento para decidir antes sobre o recurso apresentado pela defesa de Aécio Neves.
Da Redação com Plantão Brasil

Continue Lendo


Opine aqui

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *