(Imagem: Twitter)

Segundo o jornal eletrônico Extra de hoje, a postagem sobre uma “bomba” que aconteceria no STF – (veja matéria do Blog Estela Boranga comenta) feita no Twitter pelo senador José Medeiros (PSD-MT) na tarde de ontem, pouco antes que a tragédia do acidente aéreo com o ministro Teori Zavascki se tornasse pública, agitou as redes sociais e foi o bastante para que alguns internautas insinuassem que o senador soubesse anteriormente, da morte do ministro.
Em contato com o EXTRA, José Medeiros explicou que estava numa reunião com Michel Temer, pouco antes das 16h, quando o presidente recebeu um telefonema com a confirmação de que Teori Zavascki estava no avião que havia caído. A postagem em questão, foi feita assim que o senador deixou o encontro.
Medeiros explicou ao Extra, que não quis colocar (o nome do ministro) porque ninguém havia noticiado, ainda.
Mais “meleca”

(Imagem: Extra)

Como se não bastasse isso, o senador Medeiros também explicou sobre uma postagem feita pouco depois, direcionada ao procurador André Figaro, em que escreveu: “Quem será o próximo ministro”. O texto levou a mais suposições na internet, dando a entender que o senador teria informações sobre a futura indicação a ser feita pelo presidente Michel Temer para a vaga de Teori Zavascki. Segundo o senador, tratava-se de uma brincadeira com o procurador, que, no passado, teria acertado a indicação do também ministro Dias Toffoli para o STF: “Só esqueci de por o ponto de interrogação”, tentou justificar Medeiros.
Medeiros deve ter se esquecido de um ditado popular, que muito se usa aqui em Rondonópolis, cidade onde reside, que cita que “quem conversa demais, dá bom dia a cavalo!”.
Quanto mais explica, o senador parece se “melecar” ainda mais!

aeroporto-internacional-presidente-castro-pinto-joao-pessoa-11O Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) apresentou variação de 0,34%, na primeira prévia de setembro, o que indica aceleração de 0,02 ponto percentual, em relação à última pesquisa (0,32%). O levantamento é feito pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV), no Recife, Rio de Janeiro, em Salvador, São Paulo, Belo Horizonte, Brasília e Porto Alegre.
Em três dos oito grupos pesquisados houve aumento no ritmo de correção e o maior impacto sobre a inflação foi constatado em educação, leitura e recreação (de 0,50% para 0,92%). Essa alta foi provocada, principalmente, pelo avanço de preço da passagem aérea (de -3,39% para 4,20%).
Em alimentação, a taxa subiu de 0,69% para 0,76% com destaque para as frutas (de 5,61% para 8,45%) e no grupo habitação (de 0,10% para 0,11%). Neste último grupo, o motivo foi a conta de luz com um recuo menos expressivo do que na apuração passada (de -1,14% para -0,63%).
Já em transportes, o índice desacelerou passando de 0,11% para 0,01%, efeito da redução observada no preço da gasolina (de -0,64% para -0,98%). Em saúde e cuidados pessoais, ocorreu alta com taxa inferior à registrada no último levantamento (de 0,50% para 0,44%). O mesmo ocorreu em relação ao grupo comunicação (de 0,16% para 0,01%) .
Já em vestuário foi verificada queda mais intensa (de -0,12% para -0,17%), movimento também constatado em despesas diversas (-0,08% para -0,10%).
Os itens que mais influenciaram o avanço do IPC-S foram: mamão papaya (37,99%); show musical (8,25%); refeições em bares e restaurantes (0,64%); plano e seguro de saúde (1,05%) e tomate (13,87%). Em compensação, os itens que ajudaram a diminuir o impacto foram: batata-inglesa (-15,47%); gasolina (-0,98%); tarifa de eletricidade residencial (-0,63%); alface (-11,36) e cebola (-20,71%).
Quem está “adorando” a alta de preços, é a elite deste país, que – segundo algumas postagens no Twitter – está dando “graças a Deus”, de não mais precisar dividir espaços nos aeroportos e nos voos, com a classe “pobre”.
O distanciamento entre a Casa Grande e a Senzala continua. Mais forte do que nunca.
Esperavam o quê de um governo golpista?
Com Agência Brasil