Temendo a “descida do morro” Temer decreta intervenção federal no Rio

Escrito por:
Faixa na Rocinha, mexeu com os nervos do golpista

Michel Temer (MDB) assina hoje, decreto autorizando intervenção federal na Segurança Pública do Rio de Janeiro, atendendo a pedido do governador Fernando Pezão (MDB), que admitiu que a violência naquele estado, está fora de controle.
Precaução antecipada 
Coincidentemente, a medida acontece menos de uma semana depois, que moradores da Favela da Rocinha afixaram uma faixa numa das entradas do morro, avisando ao Superior Tribunal Federal (STF) de que se o ex-presidente Lula fosse preso, o “morro ia descer”.
E também depois do desfile da Escola de Samba Paraíso do Tuiuti,  na Marquês da Sapucaí, criticando contundentemente a situação por que passa o país, que dentre os destaques mostrou o “vampirão neo-liberal”, numa referência clara e direta a Temer.
O decreto dá poderes irrestritos para o general Braga Netto, chefe do Comando Militar do Leste, sobre todas as forças de Segurança do estado, incluindo as polícias Militar e Civil, e o autoriza a tomar as medidas que achar necessárias para conter a ação do crime organizado no Rio de Janeiro.
Tiro no próprio pé
Com o decreto, Michel Temer dá mais um “tiro no próprio pé”, já que pelo artigo 60 da Constituição Federal, enquanto o decreto de intervenção estiver em vigor, o Congresso Nacional não pode aprovar qualquer mudança na Carta Magna do País, significando, dentre outros, a suspensão da articulação para votação da Reforma da Previdência, desesperadamente aguardada por Temer e sua turma.
E a intervenção popular no Palácio do Planalto, prá tirar esse encosto golpista do cargo, quando será que vai acontecer?
Da Redação com Brasil 247

Continue Lendo


um comentário

  1. Talvez, o único reparo a fazer no decreto da intervenção federal no Rio de Janeiro foi só na escolha do General Braga Neto para ser o “interventor”. Deveria, também, ter sido nomeado para integrar o comando da intervenção o GENERAL MOURÃO. Braga Neto ficaria com a parte burocrática e o Mourão com as operações de campo. Aí, talvez, ia faltar coragem para a bandidagem “descer o morro”.

Opine aqui

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *