Tripolo, citada pela PF, tem valor de contrato aumentado pelo governo Taques

Escrito por:
Em setembro de 2017, a PF
esteve na empresa

De acordo com publicação da Secretaria de Estado de Infraestrutura e Logística de Mato Grosso (Sinfra) no Diário Oficial do Estado (DOE) de hoje, o governo estadual concedeu aditivo de R$ 8,5 milhões ao contrato com a Construtora Tripolo Ltda, responsável por obras de construção e pavimentação da MT-110, que liga General Carneiro a Tesouro e Guiratinga, num total de quase 42 quilômetros de extensão.
A Tripolo – que é sediada em Rondonópolis – foi um dos alvos da “Operação Malebolge”, deflagrada pela Polícia Federal (PF) em setembro do ano passado, e seria de propriedade do deputado estadual Ondanir Bortolini (PSD), o Nininho, conforme afirmou em delação premiada com a Procuradoria Geral da República (PGR) o ex-governador Silval Barbosa (MDB) , apesar de no contrato social da empresa, constarem familiares de Nininho como sócios-proprietários da empresa.
O valor total da obra, com este aditivo concedido pelo governo de Pedro Taques (PSDB), chega a R$ 56,7 milhões, cujo contrato inicial foi firmado ainda na gestão do ex-governador.
“Desmembramentos obscuros”
Na delação premiada à PGR, Silval Barbosa revelou que o beneficiário do esquema com a Tripolo era o senador Wellington Fagundes (PR), que teria acordo para receber de diversas empreiteiras, que executavam obras no Estado. “A pessoa responsável em acertar as propinas da construtora Tripoli com Welington era o deputado estadual Nininho, pois a construtora é de sua propriedade”, diz trecho da delação.
Nininho também é citado em outros eventos criminosos, pelo ex-governador. Ele é acusado de pagar R$ 7 milhões em propina para Silval, para que a concessionária Morro da Mesa vencesse a licitação e obtivesse a concessão para administrar a MT-130 com cobrança de pedágio, no trecho entre Rondonópolis e Primavera do Leste.
Da Redação com informações Folhamax

Continue Lendo


Opine aqui

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *